Voltar

Quem Somos

A três arquit3tura surgiu com a intenção de ser diferente. Busca unir ideias e personalidades distintas num resultado único, complementar e relevante. Queremos evitar soluções óbvias e oferecer uma linguagem coerente com o nosso tempo. Buscar na limpeza e síntese das formas o caráter atemporal da nossa produção. Acreditamos que a proximidade com nossos clientes facilita a compreensão de estilos de vida, valores e expectativas. Primamos pela qualidade de representação gráfica, tanto em modelos tridimensionais, que facilitam a compreensão do projeto pelo cliente, quanto no detalhamento técnico minucioso que irá orientar a execução. O fato de sermos três sócios permite assessorarmos pessoalmente os clientes nas decisões que nortearão todo o processo, além de priorizarmos o acompanhamento sistemático de obras.

Vinícius Alano

Graduei-me em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Uberlândia em 2007, porém atuo no mercado de trabalho desde 2006. Foi nas aulas de história da arte que me apaixonei pela arquitetura, ao perceber que a produção de espaços era mais do que uma simples organização funcional - o processo da experiência e seus efeitos no usuário poderiam ser parte das intenções do arquiteto. Sempre fui interessado em investigar o papel da arquitetura enquanto geradora de sensações, vislumbrando suas possibilidades de instigar sentidos e persuadir. Descobri que poderia quebrar regras, evitar soluções óbvias, lidar com os limites físicos do corpo humano e propor uma nova realidade para tornar a vivência do espaço prazerosa e deslumbrante. Acredito que o reconhecimento da arquitetura como fato empírico não necessariamente exclui seu papel funcional e simplesmente não consigo pensá-la sem aliar esses dois fatores. Sou a parte mais gótica e dramática do escritório. Sinto-me acolhido em ambientes escuros e densos, prefiro contrastes acentuados, faço croquis à mão, adoro referências à cultura de massa, coleciono globos de espelhos e monstros.

Luciano Pena

Em 2002 me formei Arquiteto e Urbanista na Universidade Federal de Uberlândia, durante a graduação aproveitei as possibilidades que a faculdade me proporcionou, como a participação em encontros e congressos, representação em entidades estudantis, além de atividades ligadas à pesquisa e extensão. O perfil de pesquisador definiu o início da minha vida profissional, quando trabalhei na área de preservação e documentação do patrimônio cultural edificado, em cidades do interior mineiro. Foi, contudo, em Brasília, onde trabalho desde 2007, que encontrei terreno fértil para atuar na área de projetos. Minha história com a Arquitetura se inicia na infância, quando na construção da casa dos meus pais, tive o primeiro contato com a figura do arquiteto e tive certeza de que era esse o caminho que eu queria seguir. Percebi, assim, a importância de um projeto e seu detalhamento para o objeto construído, e consequentemente para a qualidade de vida do usuário. Acredito que a arquitetura deve ser racional, expressar o momento em que vivemos e estar contextualizada com o lugar em que se insere. Considero que a beleza da forma está na sua síntese, a volumetria pura requer um trabalho maior para ser funcional, difere de uma arquitetura rebuscada que tenta mascarar a sua falta de significado na profusão de alegorias. No escritório sou o elemento de equilíbrio entre o universo “Burtoniano” do Vinícius e o “Almodovariano” da Carol, que são ao mesmo tempo, "tão longe, tão perto".